Projeto pretende reativar linha metro-ferroviária que liga Pacatuba e Acarape

Data: 29/10/2019

O projeto trem turístico é iniciativa de uma ONG de Minas Gerais. “Amigos do Trem” ganhou uma sede no Ceará neste ano. As ações são realizadas aos domingos com ajuda de voluntários.

Com o objetivo de ligar os municípios de Pacatuba e Acarape, o projeto Trem Turístico da Organização Não Governamental (ONG) Amigos do Trem de Minas Gerais chegou ao Ceará neste ano. A primeira etapa do processo teve início nesse domingo (27), no trecho da linha sul da Vila das Flores, em Pacatuba. Voluntários realizaram a limpeza do local.

“Preservação do patrimônio histórico ferroviário, limpeza, manutenção e futuras pretensões de implantação do Trem Turístico” são os objetivos da ONG no Ceará, afirma o representante do projeto no estado, Alessandro Nunes. A primeira fase do projeto é a limpeza, já a segunda fase é para a avaliação da estrutura para reforma e tem apoio do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

A última fase do projeto é a reativação do trecho para o trem turístico. “Serão passeios de passageiros locais e turistas. A ideia é ajudar a alavancar o turismo na região. Além de gerar renda e empregos”, ressalta Alessandro Nunes. O trem turístico terá um trajeto de 80 km e ligará os municípios de Pacatuba e Acarape.

A ação de limpeza conta com ajuda de voluntários convocados pelas redes sociais todos os domingos pela manhã. Ainda não há previsão para a ativação do trem turístico. Conforme o representante da ONG no Ceará, será necessário formar parcerias com órgões públicos para a conclusão do projeto.

Amigos do trem

tremtrem
O trem turístico Rio-Minas foi concluído em sete anosDivulgação

A ONG mineira foi fundada em 1997 e, desde então, tem se espalhado por outras cidades brasileiras. No Nordeste, Pernambuco foi o primeiro estado a receber o projeto. A “Amigos do Trem” foi uma das responsáveis pela implantação do trem turístico Rio-Minas. O transporte interestadual percorre 160 km por oito cidades.

Fonte: Diário do Nordeste